Doar sangue te deixa doente? Veja mitos e verdades sobre ato solidário

Doar sangue te deixa doente? Veja mitos e verdades sobre ato solidário

Doar sangue te deixa doente? Veja mitos e verdades sobre ato solidário

O sangue é um tecido vivo que circula por todo o nosso corpo, sendo responsável por levar oxigênio e nutrientes às células. Por isso, sem ele, não há vida - nem a salvação dela. A doação de sangue, portanto, é mais do que um gesto de solidariedade e cidadania: é garantia de sobrevivência para muitas pessoas, todos os dias.

O sangue coletado pode ajudar em intervenções médicas urgentes de grande porte e complexidade, como transfusões, transplantes e procedimentos oncológicos, além de ser imprescindível para pacientes com doenças crônicas graves, como a Doença Falciforme e a Talassemia, garantido que eles vivam por mais tempo e com qualidade.

Apesar de ser tão importante, o ato de doar sangue ainda não é uma prioridade entre a população. Mais do que isso: poucos são aqueles que se dispõem a doar regularmente, hábito que é fundamental para manter os estoques dos bancos de sangue abastecidos para situações de emergência, calamidades e tratamentos e internações de longos períodos.

Por isso, mais do que nunca, é o momento de desmistificar alguns temores e crenças em relação à doação de sangue que ainda limitam o acesso da população ao gesto voluntário. Veja, na lista abaixo, o que é verdade e o que é mentira sobre a doação de sangue e como abraçar essa causa:

Doar sangue pode salvar mais de uma vida

Verdade! Uma pessoa adulta tem, em média, 5 litros de sangue circulando no corpo. Desse total, apenas 450 mL são retirados em uma doação. Após a coleta, a bolsa de sangue é separada em componentes sanguíneos (concentrado de hemácias, plaquetas e plasma) e são realizados exames laboratoriais para identificar a presença de alguma doença. Se estiver tudo bem, os componentes são liberados e podem ser usados em até quatro pessoas.

É comum contrair alguma doença

Falso! Os bancos de sangue possuem um padrão muito alto de controle do sangue colhido e dos componentes destinados à transfusão. Também existem critérios muito bem definidos para a doação de sangue, e o doador é questionado sobre uma possível exposição a situações de risco para doenças transmissíveis por transfusão. Por fim, todo o material utilizado durante a coleta é esterilizado e descartável, o que afasta qualquer risco.

O organismo repõe o sangue rapidamente

Verdade! Doar sangue não te deixa mais fraco ou vulnerável por muito tempo. Como comentamos anteriormente, apenas 450 mL de sangue são coletados durante a doação - de um total de 5 litros que uma pessoa adulta possui. Este volume é reposto em 24h pelo próprio organismo, naturalmente. Após a doação, é importante apenas seguir algumas orientações de saúde básicas, como:

Permanecer no banco de sangue por mais 15 minutos
Manter o curativo por pelo menos 4 horas
Não ingerir bebidas alcoólicas
Não fumar por 2 horas
Evitar esforço físico exagerado por 12 horas
Beber bastante líquido.

Não há nenhum impedimento para doar

Falso! Há alguns impedimentos temporários para quem deseja se tornar doador sangue. São eles: gripe, resfriado e febre; período gestacional; período pós-gravidez; amamentação; ingestão de bebida alcoólica; exames e procedimentos com utilização de endoscópio; exposição a situações de risco acrescido para doenças sexualmente transmissíveis; vacina da febre amarela ou sarampo e tratamento dentário cirúrgico. Para cada um desses impedimentos temporários, há um período de segurança que o doador deve aguardar. Acesse aqui para saber mais.

É preciso fazer jejum antes da doação de sangue

Falso! Não é preciso fazer jejum prolongado antes de doar sangue - na verdade, a recomendação é que o doador não enfrente a coleta de estômago vazio. O ideal, portanto, é fazer uma alimentação leve (sem comidas muito gordurosas) até 3h antes da coleta e estar devidamente descansado, para evitar qualquer adversidade.

Gripes e resfriados impossibilitam a doação

Verdade! Quem estiver com os vírus que causam gripes e resfriados no organismo deve aguardar até que os sintomas cessem completamente. Assim que notar a melhora, basta esperar sete dias e buscar o hemocentro mais próximo. Já no caso de outras doenças, como a dengue e dengue hemorrágica, o intervalo de espera é maior: 30 dias e 6 meses, respectivamente. Após o período, a doação pode ocorrer normalmente.

Quem fuma não pode doar sangue

Falso! Fumantes não estão proibidos de doar sangue. O único cuidado, segundo o Ministério da Saúde, é permanecer um intervalo sem fumar de pelo menos 2h antes e após a doação.

Doar sangue é muito rápido e indolor

Verdade! Muitas pessoas têm medo de investir em um ato tão solidário e importante como a doação de sangue por conta de mitos e lendas que, na prática, estão longe de ser verdade. Um deles diz respeito à dor: ao contrário do que se pensa, doar sangue não dói. O máximo que você pode sentir é um pouco de desconforto no momento da perfuração da agulha, que logo passa. O tempo da coleta também é curto, durando em torno de 10 minutos.

Quem pode doar?

Viu só como é simples e rápido se tornar um doador de sangue? Lembre-se: esse é um gesto voluntário, gratuito e que não oferece nenhum prejuízo à saúde, podendo salvar milhares de vidas todos os dias. Basta verificar se você atende aos critérios de doação e buscar o hemocentro mais próximo para se juntar a essa causa que é tão importante. Veja abaixo quais são os critérios para doar:

 - Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até os 60 anos (menores de 18 anos devem possuir consentimento formal do responsável legal)
 - Pesar no mínimo 50 kg
 - Estar alimentado e não ingerir alimentos gordurosos antes da doação
 - Ter dormido pelo menos 6h nas últimas 24h
 - Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial.

Fonte: Minha Vida